O Futuro do Trabalho

O Futuro do Trabalho

Os modelos de trabalho são hoje muito diferentes de há quatro meses atrás. Palavras como teletrabalho, trabalho remoto ou trabalho flexível entraram no vocabulário de todos os trabalhadores e fazem parte do seu dia-a-dia, em todos os setores de atividade. Mas será que o trabalho mudou definitivamente? Ou será apenas uma fase transitória, fruto do contexto atual?

Por Cíntia Costa

 

Para debater estas questões, o LISPOLIS – Polo Tecnológico de Lisboa e o TECMAIA – Parque de Ciência e Tecnologia da Maia promoveram um evento online com dois responsáveis de empresas de IT de diferentes dimensões, a 17 de junho de 2020, que nos deixaram as suas perspetivas sobre o tema “O Futuro do Trabalho”.

 

André Carvalho, CO-CEO da Tangível, instalada no LISPOLIS, elencou as vantagens e desvantagens do teletrabalho para as empresas:

Vantagens:

  • Menor tempo de deslocação dos colaboradores para o trabalho
  • Tempo autogerido e mais flexível entre tempo pessoal e profissional
  • Menor pressão da equipa e de hierarquia
  • Maior independência dos colaboradores
  • Maior produtividade (na maioria dos casos)

Desvantagens:

  • Maior dificuldade de gestão da equipa
  • Mais horas de trabalho
  • Dificuldade de desassociar tempo e espaço de trabalho de tempo e espaço pessoal
  • Maior desassociação da cultura da empresa e espírito de equipa afetado
  • Dificuldade de integração de novos elementos na equipa

 

Francisco Almada Lobo, CEO da Critical Manufacturing, instalada no TECMAIA, referiu que na sua perspetiva o regresso ao trabalho presencial poderá ser flexível e não obrigatório, dependendo da cultura e setor de atividade da empresa, mas a existência de um espaço físico continua a ser fundamental, embora possa sofrer alterações na sua dinâmica para responder a uma necessidade cada vez mais premente: a de atividades colaborativas e de socialização.

Também mencionou as competências que considera fundamentais para o sucesso das empresas que mantêm um regime de teletrabalho ou misto (remoto + presencial):

  • Autonomia dos colaboradores
  • Capacidade de comunicação
  • Processos digitalizados
  • Organizações com modelo menos hierárquico

 

Ambos os oradores concordaram que os conceitos de Hub, Cowork e Espaços Comuns vão ser cada vez mais utilizados e as empresas podem oferecer atividades que sejam atrativas para os colaboradores e eventos internos regulares de forma a manter o espírito de equipa. Contudo, o equilíbrio entre teletrabalho e trabalho presencial vai depender da Gestão de Topo de cada empresa e da sua visão sobre os benefícios e prejuízos de cada opção.

 

Descubra todos os insights que resultaram nesta sessão no vídeo completo: